Ginga com tapioca: Patrimônio imaterial de Natal

Sumário

Quem não conhece o Rio Grande do Norte, além de se encantar com as belezas das praias que norteiam a capital Natal, pode ficar um pouco perdido na hora de conhecer a culinária.

De excelência já conhecida por muitos, a culinária nordestina atrai adeptos todos os anos e um dos pratos mais tradicionais da gastronomia potiguar é, sem dúvidas, a ginga com tapioca.

Origem

Estima-se que a ginga, apelido potiguar para manjubinha, tenha origem indígena e que povos ancestrais já tinham o prato disponível no cardápio. No entanto, a ginga com tapioca se tornou popular no Mercado Público da Redinha e da Praia da Redinha.

Ao visitar o mercado, comer a iguaria é uma obrigação, de preferência, das mãos da dona Ivanize Januário, que dá continuidade ao trabalho da mãe, dona Dalila, pioneira da tradição que começou ainda nos anos 1950.

A ginga com tapioca é um prato considerado simples, consiste em manjubinha frita no óleo de dendê bem quente e envolta com goma de tapioca.

Para os fãs da vida fitness, a ginga com tapioca pode ser um alimento altamente nutritivo para ser consumido antes dos treinos, por ser rica em proteínas e carboidratos.

Patrimônio Cultural Imaterial

Em 2019, a Governadora do estado, Fátima Bezerra, aprovou a lei que considera a ginga de tapioca como Patrimônio Cultural Imaterial do Rio Grande do Norte.

O prato já contava com o apoio popular ao título desde 2014, quando uma petição foi lançada em reconhecimento a história da ginga com tapioca como Patrimônio Cultural.

O Projeto de Lei foi bem recebido pela Assembleia Legislativa, que não demorou para tombar a iguaria como algo a ser preservado pelo estado.

A UNESCO adota o título de Patrimônio Cultural Imaterial desde 2003. Ele abrange expressões culturais de tradições que preservem a ancestralidade de um povo, para que possam ser conhecidos por futuras gerações.

Entre as expressões reconhecidas pela UNESCO estão os modos de fazer e os costumes, que é onde a ginga com tapioca se insere e passa a ser reconhecida nacional e internacionalmente como uma parte fundamental do Brasil.

A ginga com tapioca é uma das principais fontes de renda dos pescadores locais, que promovem o sucesso da especiaria pelas praias de Natal.

Mercado da Redinha

Se você está passando uma temporada por Natal, não pode deixar de incluir o Mercado da Redinha nos pontos turísticos para visitar na cidade.

O prato custa em torno de R$ 5 e você ainda tem o privilégio de degustar do sabor potiguar em frente a uma linda vista para a Ponte Newton Navarro, a mais importante da capital.

Explore o paraíso do Rio Grande do Norte conosco!

Visite o nosso site e a nossa loja para conhecer as mais de 15 opções de passeios turísticos. Você também tem a opção de entrar em contato pelo WhatsApp para fazer suas reservas e tirar dúvidas.

Nossas opções de passeio também estão disponíveis no TripAdvisor, onde você poderá conhecer um pouco mais da qualidade dos nossos serviços avaliados pelos próprios clientes.

Perguntas Frequentes

Os melhores passeios dependem muito do perfil do cliente, porém, os mais populares são Buggy Litoral Norte, Pipa e Mergulho (Maracajaú ou Perobas).

Para maiores informações confira nosso post com os 11 melhores passeios em Natal

Pode apostar que sim, com mais de 28 anos de experiência a Marazul conseguiu obter esse titulo depois das mais 6 mil avaliações excelentes, confira você mesmo no site do Tripadvisor

Não! Em todos os passeios a Marazul se compromete em pegar e deixar seus passageiros no hotel, sempre com pontualidade, conforto e segurança.

Compartilhe

Sobre o autor

Leia também

Falar com atendente
Quer uma consultoria gratuita? 
Olá, no que podemos te ajudar?